Pular para o conteúdo
Voltar

Questões LGBTI+ fazem parte do Festival Cultura em Casa

Programação contempla produções audiovisuais, música, performances e debates que ajudam a dar visibilidade à diversidade e à luta contra preconceitos
Cida Rodrigues | Secel-MT

Grupo de danças urbanas The Chanel’s - Foto por: Divulgação
Grupo de danças urbanas The Chanel’s
A | A

Artistas e pautas LGBTI+, sigla que agrupa a população lésbica, gay, bissexual, travesti, transexual e intersexual, fazem parte da programação do Festival Cultura em Casa, realizado pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel). O festival online contempla produções audiovisuais, música, performances e debates que ajudam a dar visibilidade aos desafios e conquistas da luta pelo direito à diversidade, contra a violência e o preconceito.

Segundo o superintendente de Políticas Culturais da Secel, Jan Moura, ter a cultura LGBTI+ representada no festival vai além de pensar a diversidade, refere-se, principalmente, a garantir a cidadania e contribuir com a ampliação da compreensão de mundo de toda a sociedade.

“Cultura tem a ver com modos de existir, fazer e pensar, e o papel da Secretaria é acolher todas as formas existência, expressão e pensamentos. Quando damos visibilidade à existência de públicos invisibilizados socialmente, cumprimos o dever de olhar para todo tipo de manifestação cultural e colaboramos com a luta contra os preconceitos e a homofobia”.

Programação

Nesta terça-feira (19.05), a programação inclui um debate sobre a saúde LGBTI+, um documentário sobre construção da arte LGBT negra por meio das vivências de um grupo de dança, e ainda performances da arte transformista.  

O debate “Cultura do estigma na saúde LGBT” ocorre às 18h e discutirá o contexto histórico e atual da saúde da mulher lésbica, permeando doenças sexualmente transmissíveis e sua prevenção.

Às 20h30, será exibido o documentário sobre a trajetória e vivência das artistas negras e LGBT's que formam o grupo de danças urbanas  The Chanel’s. Também às 20h30, a artista drag transformista Sophie Boomèr apresenta o compilado de seus melhores shows realizados em 2019.

Outras atrações artísticas e culturais com a temática LGBTI+ já passaram pela agenda do Festival. Dentre elas, o show do Lambatrans ao Pop-poc, de Luisa Lamar e Paulo Monarco, e a exibição do audiovisual Plus Size Diva, do Coletivo LGBTQI+ de Audiovisual Matogrossense - MT Queer.

O Festival Cultura em Casa contará ainda com outras atrações LGBTI+ na programação desta semana. Na quinta-feira (21.05), às 19h, o documentário “O Amor Transforma” apresentará a história de vida de Naelly, mulher trans, moradora do bairro Dom Aquino, com cobertura de seu dia a dia e depoimentos de familiares. Na sexta-feira (22.05), às 16h, a palestra “Representatividade LGBTQIA+ no cinema e audiovisual” aborda as vivências, vulnerabilidades e perspectivas no mercado de trabalho. 

Também na sexta-feira (22), às 21h, o elenco da lendária casa noturna Zumzum Bar Disco reúne seus artistas para uma live/show da consagrada apresentação artística Studio 54.  Berço da discoteca no mundo, a Boate Studio 54 de Nova Iorque será homenageada no show baseado nas Divas dos anos 70 como Donna Summer, Tyna Turner, Cher e Diana Ross.

A agenda LGBTI+ no Festival Cultural em Casa acontece na semana em que se celebra o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia. Referência simbólica da luta pelos direitos LGBTI+, o dia 17 de maio relembrou a data em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças.

Outras atrações do Festival

Considerado o maior festival online de Cultura de Mato Grosso, o evento transmitido via internet traz uma programação bastante diversificada. 

A agenda de transmissões, que começou no dia 13 de maio, tem trazido apresentações de música gospel, danças regionais, cultura afro-brasileira, oficinas e debates diversos, literatura, performances com DJs, espetáculos circenses e shows de artistas consagrados e menos conhecidos. 

“Cultura é aquilo que nos diferencia e que nos define enquanto seremos humanos, é tudo aquilo que gera identidade. Além de ajudar os produtores culturais mato-grossenses nesse período de pandemia, a Secretaria quer mostrar a cultura de forma ampliada, valorizando todos os espaços”, ressalta o superintendente da Secel.

A programação prossegue até domingo (24.05), com oficina de violão, cavaquinho e banjo para iniciantes, apresentações teatrais, shows musicais que vão do sertanejo ao rock e blues, e palestras variadas. 

As lives estão sendo transmitidas diretamente das redes sociais dos artistas. Toda a programação e os respectivos endereços de transmissão estão disponíveis no site www.festivalculturaemcasa.com.br