Pular para o conteúdo
Voltar

Janelas (In)Visíveis para o Mundo utiliza fragmentos de espelho em composição fotográfica

Mostra, que fica em cartaz até julho, revela o olhar apurado da artista visual Mari Gemma de La Cruz
Assessoria | SEC-MT

Composição feita com imagem de janela registrada em Santiago, no Chile - Foto por: Divulgação
Composição feita com imagem de janela registrada em Santiago, no Chile
A | A

Natural de Porto Alegre, a artista visual Mari Gemma de La Cruz reside em Cuiabá desde 1989 e há dois anos desenvolve trabalhos fotográficos com intervenções do espaço urbano. As imagens são feitas a partir de fragmentos de espelhos, ocupando a fronteira entre o real e a ilusão, proporcionando um novo olhar para aquilo que se tornou invisível. Esse trabalho será exibido no Museu Histórico de Mato Grosso, durante a exposição Janelas (In)Visíveis para o Mundo, que acontece de 03 de junho a 02 de julho.

“A ideia surgiu quando buscava uma proposta de desconstruir a imagem que eu via, mas sem utilizar processos de manipulação digital. Utilizo uma série de fragmentos de espelhos e ao encontrar situações ou objetos que me interessam, ao invés de fotografá-los, busco o reflexo deles nesses fragmentos”, explica Mari Gemma.

Durante suas viagens realizadas em 2015 e 2016, fotografou diversas “janelas” com elementos arquitetônicos que retratam a história de cada lugar e como o ser humano interfere nesse espaço. Foram inúmeros lugares do mundo como Amsterdam, Antuérpia, Barcelona, Chapada dos Guimarães, Chiloe, Cuiabá, Londres, Madrid, Milão, Paraty, Paris, Porto Alegre, Roma, Santiago/Chile, São Paulo, Valência e Veneza.

“A proposta desta mostra fotográfica é gerar um olhar reflexivo sobre a própria realidade e do quanto estamos habituados a pensar como meros observadores que não interferem na realidade dada. Ao desconstruir a imagem original, multiplicando-a, deformando-a ou diluindo-a em uma espécie de fumaça, somos sensibilizados a superar a frieza da visão perante as imagens que se apresentam, possibilitando a valorização dos detalhes que antes eram despercebidos e do reforço da própria imagem em nossa consciência”, enfatiza.

Ao todo, serão 52 imagens representando as 17 cidades dos países latino-americanos e europeus. Além de um vídeo com outras fotografias, totalizando 150 obras exibidas na exposição.

Livro 

Depois de Hibisco - o mundo invisível, o autor Aurélio Augusto lança nesta sexta-feira (03) o segundo volume de sua trilogia. A obra Aprendiz de gente será apresentada ao público em um sarau no Museu Histórico de Mato Grosso, às 19h.

Aprendiz de Gente, segundo volume de uma trilogia ainda não finalizada, discorre sobre o condicionamento mental. Segundo o autor, o condicionamento limita a visão de mundo das pessoas, além de mostrar de maneira cristalina o quanto o livre-arbítrio, o conhecimento e o amor, quando bem exercitados, podem contribuir para a valorização do ser humano. 

Serviço:
Janelas (In)Visíveis para o Mundo
Quando: De 03/05 a 02/06
Onde: Museu Histórico de Mato Grosso
Entrada gratuita