Pular para o conteúdo
Voltar

Duas exposições com temas distintos serão abertas nesta quinta-feira

Mãe Terra, da artista Tânia Pardo, e Alicergia, de MiHell, ficam em cartaz até o dia 29 outubro
Assessoria | SEC-MT

Tela intitulada Fortaleza, um dos trabalhos de Tania Pardo em exposição - Foto por: Divulgação
Tela intitulada Fortaleza, um dos trabalhos de Tania Pardo em exposição
A | A

Integrando a 10° Primavera dos Museus, o Museu de Arte de Mato Grosso (MAMT) abriga duas novas exposições a partir desta quinta-feira (15.09). “Mãe Terra”, da artista Tânia Pardo, e “Alicergia”, de MiHell, ficam em cartaz até o dia 29 outubro, com visitação livre para todos os públicos. Tânia explora os cenários naturais enquanto MiHell conduz os visitantes a um ambiente de fantasia.

No piso superior do MAMT, 18 telas literalmente pintadas com as mãos da artista Tânia Pardo compõem a exposição “Mãe Terra”. Paulista de Arco-Íris, Tânia reside em Mato Grosso há anos, e foi aqui que a artista trocou os pincéis pelos dedos para realizar suas pinturas.

“Tânia atingiu grande maturidade em seu trabalho. Hoje, executa suas obras de corpo e alma, de forma solta, totalmente livre das amarras convencionais da tradição acadêmica da pintura. Com as mãos e o auxílio de pincéis de borracha, consegue atingir efeitos visuais incríveis em seus trabalhos”, adianta o Prof. Dr. Laudenir Antonio Gonçalves, crítico de Arte e curador da exposição.

Autointitulada “artista da flora”, Tânia retrata de maneira impressionista uma natureza abundante, rica em cores e formas, inspirada nos biomas do Centro-Oeste do Brasil. Para a exposição, suas obras inéditas receberam títulos característicos a adjetivos maternos como “Ternura”, “Resiliência”, “Surpreendente”, “Soberana”.

“Percebi que, intuitivamente, toda minha obra tem muitos troncos. Mais tarde, pesquisando, notei que a Mãe Terra tem uma ligação direta com os troncos. A agricultura e tudo o que a natureza proporciona me inspira. Dos campos de algodão, milho e soja aos frutos do Cerrado como o jatobá, o pequi e a mangaba”, revela Tânia Pardo.

A exposição “Mãe Terra” apresenta ainda duas instalações conceituais, “Ciclo da Vida” e “Linha da Vida”. “Licença poética à multiplicidade de espécies e suas relações com o todo, interligadas na teia da vida. São metáforas aos obstáculos da vida, teias que ligam o nascimento e a própria existência, o casulo que abriga o novo”, complementa Tânia.

Na ação educativa da exposição estão previstas visitas mediadas, com a artista Tânia, que trocará ideias com estudantes de ensino fundamental, médio e universitário em bate-papos sobre os desafios enfrentados pela Mãe Terra no século 21, desenvolvimento sustentável e artes plásticas.

A diretora do MAMT, Viviene Lozi, ressalta a importância da exposição e das atividades educativas de interação com o público. “Cada vez mais vêm ocorrendo debates e estudos relacionando a ação humana à degradação do meio ambiente, ressaltando a extrema importância de se trabalhar o conceito de Educação Ambiental. Em consonância com esses pensamentos, a artista plástica Tânia Pardo volta ao Museu de Arte de Mato Grosso apresentando um novo trabalho que revela ao público as riquezas que a Terra oferece para a conservação e a manutenção da vida”.

Alicergia

No piso térreo do MAMT, antecipando a vivência com os temas da exposição de Tânia, Michel Pereira, que assina parte de seu trabalho conceitual como MiHell, conduz o visitante a uma experiência quase onírica. Um momento que ele mesmo traduz como lisérgico.

Em 20 obras inéditas, estão universos surreais que trazem mundos fantásticos, elementos em miniaturas e obras bastante detalhadas. “Gosto de ir desenhando sem planejar muito, freehand mesmo, imaginando cada próximo detalhe durante a produção. Essa exposição deixará o visitante reflexivo pela ilusão dos efeitos em computação gráfica que preparamos”, antecipa MiHell. Os famosos “elementos surpresa”, muito presentes no trabalho do artista, pipocam por entre as telas e garantem uma divertida exploração dos cenários.

A personagem de Lewis Carroll, Alice, também norteia a fantasia de algumas obras e inspira o trocadilho que MiHell idealizou para dar nome à exposição que conta ainda com efeitos sonoros e projeções. “São detalhes que acentuam o clima hipnótico. É uma exposição sensorial, pensada para mexer com o emocional, de várias formas. É para parar e observar com cuidado”, provoca MiHell.

Ambas as exposições podem ser visitadas de terça-feira a sábado, das 9h às 17h. O Museu de Arte de Mato Grosso é administrado via contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Cultura (SES-MT), por meio da Associação Casa de Guimarães. A entrada é franca.

Serviço

“Mãe Terra” e “Alicergia”: duas novas exposições em cartaz no MAMT

De 15 de setembro a 29 de outubro

De terça a sábado, das 9h às 17h

O Museu de Arte de Mato Grosso está localizado na antiga Residência dos Governadores (Rua Barão de Melgaço, 3565, Centro, Cuiabá).

Entrada franca

Informações: (65) 3025-3221 e (65) 98425-1443