Pular para o conteúdo
Voltar

Museus de Mato Grosso participam de programação especial

O tema deste ano, determinado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), é Museus, Memórias e Economia da Cultura
Angélica Moraes | SEC-MT

Museu de Arte Sacra de Mato Grosso conta com exposições permanentes e temporárias - Foto por: Divulgação
Museu de Arte Sacra de Mato Grosso conta com exposições permanentes e temporárias
A | A

Começa na próxima segunda-feira (19) e vai até o dia 25 de setembro a 10ª edição da Primavera dos Museus. Mais de 750 instituições de todo o país participam com programações voltadas para o tema deste ano que é "Museus, Memórias e Economia da Cultura". As três instituições museológicas de Mato Grosso, administradas via contrato de gestão, também estão integradas ao evento. Ao todo são mais de 2 mil atividades em 364 cidades de todo o país, que vão desde exposições até mostras e oficinas, visitas guiadas, debates e apresentações musicais.

O Museu de Arte de Mato Grosso recebe duas exposições paralelas. Em "Mãe Terra" a artista plástica Tânia Pardo retrata, de maneira impressionista, uma natureza abundante, rica em cores e formas, inspirada nos biomas do Centro-Oeste.

Além da exposição estão previstas visitas mediadas com a artista que trocará idéias com estudantes em bate-papos sobre os desafios enfrentados pela Mãe Terra no século 21, desenvolvimento sustentável e artes plásticas.

"Alicergia" é o nome da outra exposição no MAMT. O artista plástico MiHell conduz o visitante a uma experiência quase onírica. Em 20 obras inéditas estão universos surreais, mundos fantásticos, elementos em miniatura e obras bastante detalhadas. Os famosos “elementos surpresa”, muito presentes no trabalho do artista, pipocam por entre as telas e garantem uma divertida exploração dos cenários.

O Museu de Arte de Mato Grosso fica na rua Barão de Melgaço, 3565 (antiga Residência dos Governadores) e está aberto à visitação de terça a domingo, das 9h às 17h. Informações e agendamento de visitas guiadas pelo telefone (65) 3025-3221.

O Museu Histórico de Mato Grosso, na Praça da República, participa da 10ª Semana dos Museus com a exposição intitulada "Qual o valor da cultura? Cultura tem valor" que mostra a trajetória de pessoas e instituições que atuam nos setores culturais e criativos do Estado, especialmente na capital.

A exposição conta com a participação do MT Criativo, programa de Economia Criativa do Governo de Mato Grosso, além de outras instituições. No dia 23, das 19h às 22h, haverá um sarau e o lançamento do projeto Ecomúsica no Museu com performances teatrais da Cia. de Teatro Cena Onze e do percussionista Josué Carvalho.

O Museu Histórico está na Praça da República, centro de Cuiabá. Informações pelo telefone 2136-9234.

O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso conta com exposições permanentes que preservam a história de importantes símbolos e personagens de Mato Grosso como a Antiga Catedral, dom Francisco de Aquino Correa, o Dom Aquino,  a rádio Difusora Bom Jesus e a Igreja Nossa Senhora do Bom Despacho, entre outras.

A exposição temporária em cartaz até o dia 30 de outubro é Oratórios e Crucifixos que traz dez oratórios originais da antiga Catedral do Senhor Bom Jesus de Cuiabá, das igrejas do Rosário e São Benedito e de acervos pessoais que foram doados ao museu.  Juntamente com alguns destes oratórios serão exibidas imaginárias e crucifixos da antiga Catedral.

O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso está na rua Clovis Hugney, 239, no prédio do antigo Seminário Nossa Senhora da Conceição. Informações pelo telefone 3056-6285.

O tema

Definido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) o tema norteador da 10ª Primavera dos Museus tem como foco os museus como espaços de trocas simbólicas, culturais, de saberes e experiências.

Por meio desse processo dialógico, que também envolve ouvir e entender as necessidades de seus públicos, é possível proporcionar experiências de ressignificação do olhar sobre as questões humanas, capazes de fortalecer a atuação do indivíduo na sociedade e o senso de pertencimento cultural.

“Além das parcerias sociais, as trocas também podem estabelecer relações de dimensão econômica. Ao atuar como centro gravitacional de atração de público e da vida ao redor dos espaços de sua localização, os museus tendem a incorporar a prática de ampliação das ações no seu entorno, contribuindo para a dinamização da cadeia produtiva da cultura de modo sustentável”, diz o texto explicativo.

“Os museus possuem um significativo potencial de contribuição para o desenvolvimento sustentável. Suas múltiplas atividades geram trabalho, emprego, renda, estimulam o turismo e incentivam as atividades econômicas do local onde está instalado. Em muitas situações, eles têm integrado projetos de requalificação e revitalização urbana, bem como de fortalecimento comunitário. Os museus são instituições ativas na circulação de riquezas, sejam elas saberes, bens ou serviços. Suas relações econômicas não existem isoladamente, mas coexistem com outras formas de trocas, uma vez que faz parte da condição humana interagir e compartilhar com o outro”.

Outras informações e a programação completa estão no site do Ibram.